Como reduzir a inadimplência nas operações de Barter?

A operação de Barter é um tipo de financiamento realizado entre agricultores e empresas de insumos agrícolas. Sua tradução para o português é "troca", o que faz total sentido na prática, visto que a operação se dá pela troca de produtos da empresa por parte da safra. Aqui trazemos algumas ações que as empresas e clientes podem adotar, visando reduzir a inadimplência desta atividade.


Essa operação é muito praticada pelo mercado devido aos benefícios trazidos, dentre eles, o fato de o produtor não precisar desembolsar capital para a compra de insumos e maquinários, as empresas alcançarem um maior número de clientes e possibilidade de armazenagem de grãos para os produtores que não dispuserem de silos.


Safra de milho 2021. Bart Digital.

Neste ano, o clima não favoreceu os produtores rurais na maior parte do país, com impactos relevantes na Região Sul.


A falta de chuva no período de implantação da cultura do milho gerou atrasos, além da ocorrência de fortes geadas que trouxeram ainda mais prejuízo para alguns produtores. Com esse cenário, agricultores perderam boa parte de suas áreas plantadas, trazendo incertezas com relação ao pagamento da safra, ora financiada pelos fornecedores de insumos.


Para garantir o pagamento desta dívida ao final da safra, é preciso que as empresas realizem o financiamento de maneira segura, a fim de evitar quaisquer dores de cabeça, seja pela inadimplência provocada por má fé ou pelas adversidades climáticas.


Pensando nisso, reunimos algumas dicas para produtores e credores, sobre como minimizar as inadimplências do financiamento agrícola.


Parte 01: Dicas ao credor


A inadimplência pode ocorrer por diversos motivos, e, por isso, aqui vão algumas dicas para afasta-la na proxima safra:


1. Tenha uma política de crédito, por exemplo: financiar apenas para produtores com mais de 3 anos de relacionamento com o banco, que possuem um valor X de declaração de imposto de renda, entre outros.


2. Conheça muito bem o seu cliente, busque informações e referências sobre ele e intere-se sobre a situação e capacidade financeira deste cliente.

Procure por empresas que ele costuma comprar, busque por processos judiciais, tenha acesso à declaração de imposto de renda, e fique ligado nas atualizações do open banking, através da qual você poderá ter acesso aos dados desse cliente vinculados a outros bancos de crédito.


3. Tenha um analista de crédito que conheça muito bem a região, zoneamento agrícola, clima, culturas favoráveis e janelas de plantio e colheita da área. Assim, você evita financiar um plantio em época desfavorável ou áreas em regiões de baixa produtividade histórica.


4. Saiba se o seu cliente trabalha com apenas uma cultura ou se possui outras opções que podem reduzir os riscos em caso de perda ou dano na safra.


5. Busque sempre formalizar a operação crédito através de um lastro (Ex: Cédula de Produto Rural), no qual esteja vinculado à garantias, como penhor de safra, hipoteca, alienação fiduciária, entre outras.


6. Mantenha contato frequente com o cliente, perguntando sobre a situação da lavoura e se ele conseguirá cumprir os prazos de pagamento ou se precisará de mais tempo.


7. Opte pela formalização dos títulos e suas respectivas garantias de maneira digital. Assim você economiza tempo, concede o crédito de forma mais rápida e não é prejudicado pela perda dos períodos adequados de plantio, típica dos processos burocráticos.


Agora é com você!

Usando as dicas compartilhadas neste artigo, você poderá criar melhores processos durante a jornada de financiamento agrícola e ter mais operações adimplentes!



Parte 02: Dicas ao Produtor Rural


Assumir um financiamento é uma opção muito atrativa para viabilizar o cultivo da safra, porém, tal escolha requer grande responsabilidade. Para garantir a quitação do financiamento em tempo hábil, confira as dicas que separamos para você!


1. Não se prenda a uma expectativa de aumento do valor de venda do grão. Realize a venda em partes, assim você consegue aproveitar as boas fases do mercado, obtendo um valor médio da commodity e evitando prejuízos.


2. Realize o plantio sempre dentro do zoneamento agrícola, e saiba qual a melhor cultura e cultivar para a sua região.


3. Para saber quais as melhores opções abordadas no item anterior, tenha o acompanhamento de um engenheiro agrônomo.


4. Se perceber que não conseguirá cumprir o pagamento na data prevista, converse e renegocie, assim você pode evitar o pagamento de juros por atraso.


5. Em caso de endividamento, não postergue o pagamento da dívida por muito tempo, isso só acumulará ainda mais juros. Se possível, realize a venda de um maquinário, equipamento ou porção da propriedade e quite a dívida o quanto antes.


6. Opte pela obtenção de certificado digital, dessa forma, a assinatura de títulos e garantias é realizada de maneira digital, trazendo-lhe maior comodidade, economia e agilidade nos processos de formalização.


Seguindo essas dicas, o financiamento pode se tornar muito mais seguro e tranquilo para ambas as partes!